Conhece a norma nacional para documentos digitais?

Não há um mês que de alguma forma este tema não me seja apresentado assim como tento e com paciência informar as pessoas sobre esta questão.

Agora pergunto eu a todos vocês que leiam este artigo de opinião. Conhece ou não a lei que regula a norma sobre os documentos digitais em decretado pela Republica Portuguesa?

É bem provável que não se interesse, pois esta matéria pode muito bem passar para umDocumentação foro de desinteresse, ou puro desconhecimento. Eu tive esta questão com uns formadores de um centro de formação, pois não queriam avaliar a matéria porque lhes tinham sido enviados documentos em normas abertas, e como eles não queriam ter o trabalho de abrir um documento na formatação correta , pois diziam eles, que dava muito trabalho! Eu questionava-me como poderiam eles ser formadores uma vez que desconheciam as normas do seu pais? Que bastava puxar um pequeno programa extra do seu software fechado, ou bastava puxar e instalar, naquela época, o Open Office coisa muito simples. Mas não era muita coisa complicada para suas cabeças.

image_largeBom fique sabendo que hoje em dia existe a “Lei n.º 36/2011 de 21 de Junho Estabelece a adopção de normas abertas nos sistemas informáticos do Estado” e que isto inclusive inclui escolas, centro de formações, Universidades, etc. Em resumo ninguém pode pedir a um cidadão que use um programa especifico de código fechado só porque sim, porque nunca se preocupou em ler a norma. Um cidadão não tem que ter disponível toda a informação ao seu dispor e não pode ser “infoexcluido” só porque não compra uma licença de um programa que pode equivaler ao total de um mês de refeição na sua casa, por exemplo. Se existem ficheiros que pode e deve estar ao alcance de um cidadão porque não o fazer?

Já ouvi de tudo desde ser acusado de bloquear a evolução no ensino! ok se o ensino é bloqueado só porque se pede às instituições que poupem nos custos supérfluos como aquisições de um conjunto de aplicações ofimaticas quando um openoffice ou libreoffice chega e sobre para fazer documentos corriqueiros, quem quiser gastar ou precise de usar uma licença então que o justifique, agora dizer que é um bloqueio?

Sem esquecer uma coisa importante, eu não sou contra o software de código fechado, que poder compra uma licença. Sou contra sim à pirataria que é usada em força por aqueles que devem dar o exemplo. Isso claro demonstra uma falta de carácter por quem o pratica e esquece que concordou com um contrato, e quando esse contrato se refere a um preço de aluguer absurdo. Por isso Seja Livre.

Documentação: Anacom informa / Um manual Aberto

 

Sobre Luis Teixeira

Trabalho nas Tecnologias de Informação desde que iniciei o estudo do MSDOS 5 a partir dai foi sempre a aprender. Hoje sou um amante do Linux e do Open Source, mas não sou fundamentalista e acho que tudo tem mercado. Mas escolhi ser livre e um acérrimo lutador contra a pirataria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *