ChaletOS 16.04: Mais do que uma distro com cara de Windows

Quando surgiu na versão baseada no Xubuntu 14.04, o ChaletOS era vista como uma distribuição Linux com a aparência do Windows. E essa era de facto uma conotação que o principal desenvolvedor da distro, Dejan Petrovic,  não negava. Antes pelo contrário, era notório o trabalho desenvolvido para dotar a distribuição baseada no Xubuntu de um “look and feel” idêntico ao do Windows.

A nova versão, baseada no Xubuntu 16.04, não foge muito desse âmbito, até porque o aspecto da distribuição faz “tresanda” a Windows 7. Mas a distribuição é bem mais do que apenas isso.

Facilitar a vida ao utilizador

É notório, mais na 16.04 do que na anterior, o trabalho desenvolvido em dotar ChaletOS de ferramentas que visam tornar um sistema operativo fácil de utilizar. Se já conhecíamos o Style Changer, que foi renovado com novos e belos temas, a distro trás novas ferramentas úteis para novos e velhos utilizadores. Das quais destaco:

Start Point – Uma ferramenta com vasta documentação, dicas e tutoriais e recomendações de aplicações que fazem o utilizador “sentir-se em casa”.Start Point

One-Click Maintenance – Apenas com um clique permite refrescar repositórios, atualizar sistema, remover kerneis antigos e pacotes obsoletos, além ficheiros de configuração desnecessários.one click

USB Stick Formatter e USB Image Writer que visam formatar e gravar imagens .iso em Pens USB.usb tools

A distribuição vem com os codecs previamente instalados, o que permite que tenhamos um sistema operativo pronto a usar. Não obstante de faltar uma suite de escritório ao naipe de aplicações previamente instaladas. O que permite que os utilizadores possam escolher uma suite à sua preferência.

Suporte de idiomas deficiente

Suporte de Idioma. Idiomas portugueses em primeiro.
Suporte de Idioma. Idiomas portugueses em primeiro.

Mas nem tudo é bom neste ChaletOS. Tal como o seu antecessor, o 16.04 inicia o sistema completamente em inglês, mesmo que o utilizador escolha o português na instalação.

O que acontece é que a distribuição instala os pacotes de idioma pretendidos, mas após instalação mantém o inglês como padrão. Para mudar o sistema para português devemos ir ao “Suporte de idioma” e arrastar os idiomas em português para cima. E após isto reiniciar sessão.

No entanto, outro problema mantém-se. Após a mudança de idioma, as pastas mantém-se em inglês. Para colocar as pastas em português europeu no meu computador, fui ao Thunar (gestor de ficheiros) e ao menu “Ver – Mostrar ficheiros ocultos”. Abri a pasta “.config” e apaguei os ficheiros “user-dirs.dirs” e “user-dirs.locale”. Fechei o Thunar e abri o terminal onde digitei “echo ‘pt_PT’ > ~/.config/user-dirs.locale” (sem parêntesis) carregando no “Enter” de seguida. Reiniciei a sessão e já tinha as pastas em português.

Veridicto.

Da experiência de cerca de uma semana com o ChaletOS instalado no meu portátil, o sistema tem corrido sem problemas e tem se mostrado bastante fluido. Com um consumo de memória RAM (após arranque) de cerca de 250 mb, é uma distribuição que recomendo, essencialmente para quem tem maquinas um pouco mais antigas e aprecia sistemas operativos com boa aparência e facilidade de personalização. É também um sistema em que novos utilizadores Linux, vindos do Windows se sentirão confortáveis.

ChaletOS: Site / Comunidade G+ / Fórum

Download: 32 bits / 64 bits

Style Changer
Style Changer

Sobre Paulo Trindade

Apaixonado pelo Linux e open source. A primeira experiência foi com Red Hat foi algo traumática. Voltou anos depois com o Ubuntu 7.04 e nunca mais abandonou Linux. Foi editor do Linux Tugaz e criou o Terminal Aberto.

6 comentários

  1. Um sistema operativo que não nos deixe usar a nossa língua materna é tudo menos interessante de usar…

    • Deixar deixa. Dá só uma bocadinho mais de trabalho a ficar em português 😉

    • Em inglês é bom para treinar o idioma…

      • Sim nesse ponto nós Portugueses (de Portugal) temos essa capacidade de aprendizagem mais evoluída…

        • Olá Emerson,

          Nós Portugueses, de toda parte do mundo, somos seres humanos dotados de intelgencia para o aprendizado.
          Abrir-se ao novo e abrir a mente e o coração, é invocar a vocação de todos os nossos antepassados (com seus erros e acertos) de navegar mares nunca dantes navegados e inivar-se a cada dia.
          Nao somos melhores só por causa de srmos Portugueses do continente ou não.
          Somos todos seres humanos, e somos todos linux.
          Aquele abraço!

  2. Trabalho com Rhel há um tempo. O ChaletOs é perfeito para quem deseja navegar com segurança e entender um pouco do linux..aos principiantes, aproveitem o OS, muito bom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *